Dezembro laranjaDezembro vermelhoDicasInstitucional

Campanha de Dezembro na prevenção de doenças

O mês de Dezembro é dedicado a campanha Dezembro Vermelho na prevenção, conscientização e combate ao HIV, AIDS e IST e também na campanha Dezembro Laranja na prevenção e conscientização ao câncer de pele.

O Brasil é um país que registra muitos casos de câncer de pele e a utilização de proteção não é rotina. E, com a AIDS, precisamos de ações contínuas de prevenção, só assim evitaremos contaminações e diminuiremos a mortalidade”.

Dezembro Laranja

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) criou a campanha Dezembro
Laranja em 2014 com o objetivo de estimular a população na prevenção e no
diagnóstico precoce do câncer de pele. No Brasil, o câncer de pele é a
doença mais incidente entre a população: 176 mil novos casos ao ano, segundo
o Instituto Nacional de Câncer (INCA).

O filtro solar, segundo a SBD, não é a única forma de prevenção. Para quem
trabalha diariamente exposto ao sol, é indicado a utilização de equipamentos
de proteção individual (EPI) como chapéus de abas largas, óculos escuros,
roupas que cubram boa parte do corpo e protetores solares com fator mínimo
(FPS) 30.

O que é o câncer de pele?

A pele é tida como o maior órgão do corpo humano, cuja função é de proteção
ao corpo contra desidratação, exposição a agentes infectantes como vírus e
bactérias, bem como fatores ambientais (frio, calor, etc).

Tal como outras manifestações cancerígenas, o câncer de pele caracteriza-se
quando há crescimento anormal e desordenado de células que compõem o tecido.

Há diferentes fatores que podem acarretar o seu surgimento, mas na maior
parte dos casos, devido a reiteradas e longas exposições ao sol, quando os
raios solares UVA (Ultravioleta A) e UVB (Ultravioleta B) danificam a
barreira protetora do órgão .

As células da pele organizam-se e desenvolvem-se formando camadas e o
câncer pode afetar essas diferentes camadas, o que acaba por caracterizar os
diferentes tipos de câncer de pele.

O câncer de pele não melanoma é o mais frequente no Brasil e corresponde a
cerca de 30% de todos os tumores malignos registrados no país

Fatores de risco

– Exposição à radiação ultravioleta;
– Histórico familiar;
– Pessoas de pele clara, olhos claros, albinos ou sensíveis à ação dos
raios solares;
– Exposição a produtos químicos como por exemplo produtos com grandes
quantidades de arsênio.

Prevenção

– Evitar a exposição solar e permanecer na sombra entre 10h e 16h;

– Usar filtro solar diariamente;

– Observar regularmente a pele, se atentando a manchas ou pintas suspeitas;

– Consultar um dermatologista uma vez ao ano.

Dezembro Vermelho

O mês de dezembro também é dedicado a prevenção ao HIV/Aids e a outras
doenças sexualmente transmissíveis. A lei foi sancionada em dezembro de 2017
e a campanha possui um conjunto de atividades focando a prevenção,
assistência, proteção e promoção dos direitos humanos das pessoas que vivem
com HIV. A escolha do mês foi em função do Dia Mundial contra a AIDS,
celebrado no mundo inteiro no dia 1º de dezembro.

O que é AIDS?

Síndrome da Imunodeficiência Adquirida é uma doença causada pelo vírus HIV,
que ataca o sistema imunológico e destrói os glóbulos brancos. O vírus pode
ser transmitido através do esperma, secreção vaginal, sangue ou pelo leite
materno.

Entre os sintomas estão fraqueza, náuseas e vômitos, febre, falta de
apetite, rápido emagrecimento, candidíase persistente, suor noturno,
diarreia, inchaço dos gânglios linfáticos e dores musculares.

Todo portador de HIV tem AIDS?

Não. A infecção pelo HIV evolui para AIDS quando a pessoa não é tratada e
sua imunidade vai diminuindo ao longo do tempo.

É aí que entra a importância do diagnóstico precoce.

Ter o HIV não é a mesma coisa que ter a AIDS. O desenvolvimento da doença
se dá pelo desconhecimento do contágio e que ao longo do tempo acarreta no
comprometimento do sistema imunológico.

Em indivíduos não diagnosticados e, portanto, não tratados, o tempo médio
entre o contágio e o aparecimento da doença pode ser de dois a dez anos. Há
muitos soropositivos que vivem anos sem apresentar sintomas e sem
desenvolver a doença. Nesse período o portador é transmissor.

Algumas pessoas infectadas pelo HIV, podem nunca vir a desenvolver a
síndrome, seja porque iniciaram tratamento imediatamente após um diagnóstico precoce, seja porque o sistema imunológico consegue controlar a infecção.

Esses últimos, chamados de pacientes “controladores de elite”, são os que
possuem sorologia positiva para HIV e que mesmo sem a realização de tratamento de combate ao vírus por uso de antirretrovirais, mantém uma carga
viral abaixo dos limites detectáveis pelos exames e níveis estáveis de
linfócitos CD4.

Para evitar o vírus é necessário:
– Utilizar camisinha durante a relação sexual;
– Exigir material descartável ou esterilizado em consultórios médicos e
odontológicos, laboratórios de exames, barbearias, serviços de manicure e
estúdios de piercing e tatuagem;
– Não compartilhar objetos cortantes como agulhas, lâminas e seringas;
– Utilizar luvas ao manipular feridas e líquidos contaminados;
– Grávidas: façam teste HIV no pré-natal e, caso o resultado dê positivo, o médico orientará do procedimento para que a gravidez seja segura para o
bebê.

– ATENÇÃO: Nunca reutilize a camisinha e também nunca use duas camisinhas
ao mesmo tempo, pois ela pode se romper ou estourar.

https://www.gov.br/saude

https://www.inca.gov.br/

Compartilhe!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *